domingo, 19 de fevereiro de 2017

A CULTURA E AS ARTES E AS PRIORIDADES DA UNIÃO EUROPEIA



Veja aqui


«60 years ago, the treaties of Rome prepared the ground for the European Union. When celebrating their 60th anniversary in March this year, Member States will have the opportunity to reaffirm their commitment to fundamental European values whilst creating a new understanding of a sustainable European project, deeply grounded in the European societies.
 This is essential in times of deep societal changes, when European citizens feel disconnected to the Union. It is vital in a time, when Europe faces major political challenges and needs to redefine its global positioning. Culture and the arts can help to strengthen the European project; therefore, the 33 signatories of this statement call on European institutions and Member States to include culture and the arts in the strategic goals of the Union.
 Culture and the arts are the basis of the European project and moreover the essence of every civilizational development. They are substantially important to our identity, give meaning to human existence and reflect our shared history.
 European culture and the arts refer to 3000 years of shared cultural heritage while bringing contemporary relevance to people’s lives today. Flourishing in dialogue with other cultures, they reflect our “living together”, interconnect people in society, and transmit knowledge and values. 
Culture and the arts engage with the concerns of all citizens. They create a feeling of belonging and are the response to the cultural, social, economic and religious tensions existing inside societies, within the EU and outside European borders.
 Culture and the arts constitute a vital lever for developing the Union’s future project». +.




sábado, 18 de fevereiro de 2017

ELUCIDÁRIO DE EMERGÊNCIA | ouvir o setor


Os anos de 1995/1996 foram mencionados no encontro havido há poucos dias na Torre do Tombo sobre a forma como se ia ouvir o setor em torno dos Apoios às Artes neste ano de graça de 2017.  Alguém nos sugeriu  que se mostrasse como então se fez nos anos referidos. E não é que encontrámos como se recolheram  as opiniões no Teatro! Acresce dizer que isso fez parte de algo maior: em particular, houve os encontros no âmbito da «Cultura em Diálogo». Mas como manda o figurino: com intervenções antecipadamente preparadas e com todo «o tempo do mundo». Lembra-se os havidos no Centro Cultural de Belém para «todas as artes» e um segundo em Coimbra para o Teatro onde, nomeadamente, se deu conhecimento dos resultaados do inquérito cujas coordenadas de partida se veem na imagem acima.    Mas antes já se tinha agido com a urgência que o setor reclamava. Já se tinha feito diferença, não se esperou dois anos! Ainda, houve cobertura na revista Adágio. Onde parará todo este material?
O texto do Secretário de Estado da Cultura - Rui Vieira Nery - que  introduzia a «proposta para a recolha de opiniões sobre áreas e problemas do teatro português»:

 
Leia,ampliando, aqui
(se conseguirmos uma versão melhor substituímos)



E pronto, aqui fica uma memória como contributo para se fixar uma «Recolha do sentir do setor teatral».
Ah, já agora, este trabalho foi dinamizado por uma equipa coordenada pelo saudoso Mário Barradas: Antonino Sommer, António Augusto Barros, Manuel Guerra, Rui Madeira. 



sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

«ARTISTS´RESIDENCIES» | e a sustentabilidade ambiental

 
 

E como que dando seguimento ao post anterior, destaquemos da brochura da imagem o capitulo sobre sustentabilidade ambiental :


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

«Sê-lo verde»








 
«O Programa "Sê-lo Verde" é uma iniciativa do Ministério do Ambiente e Fundo Ambiental, destacando os seguintes objetivos que pretendemos prosseguir com a presente iniciativa:

1.Incentivar a adoção de critérios ambientais que contribuam, de modo efetivo, para uma redução de impactes e eficiência/suficiência no uso de recursos materiais e energéticos em festivais de música
 organizados em Portugal;
 
2.Incentivar a adoção de abordagens inovadoras 
para um uso eficiente e produtivo dos recursos neste contexto;
 
3.Contribuir para a educação e sensibilização ambiental
 dos grupos de interesse 
envolvidos - promotores, marcas, municípios, 
espetadores e comércio local adjacente;
 
4.Valorização e promoção da vertente ambiental 
do evento, junto do público nacional e 
internacional, pelos promotores, marcas
 e instituições públicas associadas.

A Economia Circular será uma das abordagens que pode servir de plataforma para a inclusão de medidas inovadoras em festivais de música» - Veja aqui.

.
. .

E, neste ambiente, talvez lhe interesse:

 E também este blogue.


E será que faz sentido abordar estas questões na esfera da refundação do sistema de apoio às artes enquanto serviço público? A resposta só pode ser uma: FAZ. Aprendamos com os outros: 







quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

EXTRA INQUÉRITO ? | O site da Dgartes












Visitámos o site do Sindicato CENA e demos com a notícia da imagem que nos levou ao site da DGARTES. O resultado foi o que acima se pode ver.  Mais um bug! Não sabemos se vem no inquérito, mas não é preciso: os problemas com o «site,  plataforma & companhia» são de há muito conhecidos. E para dialogar ..., no século XXI estas coisas não podem estar a ir «sempre abaixo». Olá SIMPLEX  +, olha para isto, e não te esqueças de fazer o balanço  do SIMPLEX anterior nas artes...
Não começou bem, o INQUÉRITO.




terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

CULTURA PELOS MINISTÉRIOS (2)




 
«(...)
 Este espetáculo conta com o apoio do Gabinete da Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade e da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género». Tirado daqui.